Publicado em 30/12/2019 por FAP/MG e Fenasps
Notícias da FAP/MG
Presidente do INSS fala mentiras e amplia desmonte do órgão

30/12/2019 - O presidente do INSS, Renato Vieira, em entrevista ao jornal Correio Braziliense, em 17 de dezembro, falou série de mentiras e asneiras. Afirmou, por exemplo, que foram identificados quatro mil benefícios pagos indevidamente.


A Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Seguridade Social (Fenasps) é uma das entidades que não concorda com nenhum tipo de fraude e denuncia toda prática irregular. A principal delas é que os maiores fraudadores da Previdência Social são os bancos, grandes empresas, órgãos públicos, times de futebol e diversos outros grandes devedores, cujos débitos junto ao INSS ultrapassa os bilhões de reais. Disso, nada fala Renato Vieira.


O INSS enfrenta sérios problemas de infraestrutura, falta de pessoal e excesso de demanda por parte dos mais de 50 milhões de contribuintes. Segundo a Fenasps, faltam pelo menos 16 mil servidores(as) para manter as atuais agências do INSS em funcionamento e prestar o atendimento digno que a população merece. Dados publicados na imprensa indicam que, somente em 2019, se aposentaram 6 mil técnicos do INSS, que não tem concurso público desde 2015.


Nos últimos meses de 2019, cerca de dois milhões de pedidos de benefícios aguardam para ser analisados no INSS. Em algumas regiões do País, segurados esperam de seis meses a um ano para ter o pedido analisado. Para receber bônus por serviços extraordinários (BMOB), instituído por Bolsonaro & Cia, centenas de servidores(as) do INSS, desde julho deste ano, estão trabalhando em média 12 horas por dia, incluindo finais de semana e feriados.


Para o Ministério Público Federal, a criação do bônus nada vai adiantar "dada a incapacidade de sua assoberbada e, consequentemente, precarizada força de trabalho [...]. Ao contrário, tais prêmios [...] somente facilitam a reprodução das falhas. Também tendem a configurar assédio moral organizacional em razão de gestão administrativa voltada ao aumento da produtividade por meio de pressões e sujeição de servidores a metas abusivas". Em Brasília, está tramitando inquérito civil para apurar os fatos.


Assim, fila digital e presencial no INSS fica cada vez maior. O governo e Renato Vieira não têm nenhuma proposta de melhoria. Tudo que fazem é para desmontar a Seguridade Social pública e favorecer os banqueiros, que parecem ser os verdadeiros patrões deles, a começar pelo ministro Paulo Guedes.