Notícias

23/05/2019 - Notícias da FAP/MG
Brasil atinge recorde na desigualdade entre pobres e ricos
por O Estado de S. Paulo

23/05/2019 - No primeiro trimestre de 2019, a desigualdade de renda entre os brasileiros atingiu a pior situação já registrada, desde que a pesquisa começou a ser feita no País, há sete anos. O estudo é realizado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/IBRE). Desde 2012, a renda acumulada dos mais ricos aumentou 8,5%; a dos mais pobres caiu 14%.


O indicador utlizado é o índice de Gini, que monitora a desigualdade de renda em uma escala de 0 a 1 – sendo que, quanto mais próximo de 1, maior é a desigualdade. O do Brasil ficou em 0,6257 em março de 2019.


A pesquisa também demonstra que as pessoas que ganham menos sofreram mais os efeitos da crise que os que possuem renda maior. Além disso, os mais pobres estão demorando mais para se recuperar na comparação com os mais ricos.


Os números que revelam isso são os da variação da renda média acumulada pelos 10% mais ricos da população e os 40% mais pobres.


Antes da crise, os mais ricos tiveram aumento de 5% da renda acumulada; os mais pobres, de 10% Após a crise, a os mais ricos tiveram aumento de 3,3% da renda acumulada; os mais pobres, queda de mais de 20%.


O pesquisador da área de Economia Aplicada do FGV IBRE, Daniel Duque, explicou que os mais pobres sentem mais o impacto da crise pela própria dinâmica do mercado de trabalho em tempos de economia fraca. “Há menos empresas contratando e demandando trabalho, ao passo que há mais pessoas procurando. Essa dinâmica reforça a posição social relativa de cada um. Quem tem mais experiência e anos de escolaridade acaba se saindo melhor do que quem não tem”.

 

 

Brasil atinge recorde na desigualdade de renda

 


ANO PASSADO - A situação precária no mercado de trabalho fez a concentração de renda se aprofundar ainda mais, no ano passado. No quarto trimestre de 2018, a desigualdade, quando observada a renda domiciliar per capita, atingiu o maior patamar em pelo menos sete anos, segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) obtido pelo "Grupo Estado".


O Índice de Gini do rendimento domiciliar per capita com trabalho subiu de 0,6156 no terceiro trimestre de 2018 para 0,6242 no quarto trimestre do ano, o 16º trimestre consecutivo de aumento. O Índice de Gini mede a desigualdade numa escala de 0 a 1 --quanto mais perto de 1, maior é a concentração de renda.


No quarto trimestre de 2018, o índice atingiu o maior patamar da série histórica iniciada no primeiro trimestre de 2012. Foi quando a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) começou a ser apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Segundo Daniel Duque, pesquisador do mercado de trabalho no Ibre/FGV, há algumas razões para a piora na desigualdade de renda. Entre elas, estão a dificuldade de trabalhadores menos qualificados aumentarem seus rendimentos e a dinâmica de reajustes do salário mínimo.


"Na crise, a probabilidade de estar empregado e ter renda maior depende mais de o trabalhador ter qualificação. Além disso, o salário mínimo não tem ganhos reais desde 2015", enumerou Duque, autor do levantamento. "Houve também muita geração de ocupação informal, que tem menores salários. E há um desalento muito grande ainda."


GANHOS - O salário mínimo não teve ganho real nos últimos anos por causa do encolhimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 e 2016. Pela regra de reajuste criada ainda nos governos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o reajuste do mínimo de um ano é a soma da inflação (medida pelo INPC) do ano anterior somada à variação do PIB de dois anos antes.


Como em 2015 e 2016 o PIB teve variação negativa, o salário mínimo teve reajustes equivalentes apenas à inflação. A regra vale até este ano.


Embora, no ano passado, o número de pessoas trabalhando tenha aumentado, a subutilização da força de trabalho segue elevada, lembrou Thiago Xavier, analista da Tendências Consultoria Integrada.


São considerados "subutilizados" os trabalhadores à procura de emprego, os que não procuram uma vaga por acreditar que não encontrariam emprego ou os que estão ocupados, mas trabalhando menos horas do que poderiam ou gostariam, ganhando menos por isso.


"Precisa ter uma reação do mercado de trabalho (para reduzir a desigualdade)", defendeu Xavier. "Precisa de geração de vagas formais, com salário médio maior, jornadas de trabalho que não fiquem aquém do desejado."


O ex-bancário Carlos Cunha dos Santos Jr., de 45 anos, e a vendedora Viviane Almeida, de 46 anos, trabalham juntos há seis meses numa carrocinha de suco de laranja, no centro do Rio. Viviane é gaúcha, está radicada no Rio há sete anos e já trabalhou como cabeleireira e balconista. "Está difícil conseguir emprego, e trabalhar na rua foi uma forma que arrumei para me manter", disse Viviane.


Segundo Santos Jr., o negócio está dando certo, mas eles estão apreensivos em relação à demanda nos meses de menos calor. Com a carrocinha de suco, a dupla tem conseguido tirar cerca de R$ 4.000 a R$ 5.000 por mês para dividir.


As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Comentar

Comentar

* = Preenchimento obrigatório
Nome *
Email *
Mensagem *
 

Comentários

Nenhum comentário ainda.